El blog de Lauri

Mi mundo, mis cosas, mis películas, mis pensamientos…

Morreste-me marzo 20, 2011

Regressei hoje a esta terra agora cruel. A nossa terra, pai. E tudo como se
continuasse. Diante de mim, as ruas varridas, o sol enegrecido de luz a limpar as
casas, a branquear a cal; e o tempo entristecido, o tempo parado, o tempo
entristecido e muito mais triste do que quando os teus olhos, claros de névoa e
maresia distante fresca, engoliam esta luz agora cruel, quando os teus olhos
falavam alto e o mundo não queria ser mais que existir. E, no entanto, tudo como
se continuasse. O silêncio fluvial, a vida cruel por ser vida. Como no hospital.
Dizia nunca esquecerei, e hoje lembro-me. Rostos tornados desconhecidos,
desfigurados na minha certeza de perder-te, no meu desespero desespero. Como
no hospital. Não acredito que possas ter esquecido. Enquanto esperava pela
minha mãe e pela minha irmã, as pessoas passavam por mim como se a dor que
me enchia não fosse oceânica e não as abarcasse também. As mulheres falavam,
os homens fumavam cigarros. Como eu, esperavam; não a morte, que nós, seres
incautos, fechamos-lhe sempre os olhos na esperança pálida de que, se não a
virmos, ela não nos verá. Esperavam. Num carro demasiado rápido, a minha
mãe, curvada de perder o que possuía, e a minha irmã. Os homens e as mulheres
falavam e fumavam ainda quando subimos. No quarto, numa cama qualquer que
não a tua, o teu corpo, pai. Talvez distante, preso num olhar entreaberto e
amarelado, respiravas ofegante. O ar com que lutavas, lutavas sempre, gritava o
seu caminho rouco. Pelo nariz, entrava o tubo que te sustinha. Aos pés da cama,
a minha mãe calada, viúva de tudo. À cabeceira, a minha irmã, eu. Cortinas de
plástico, biombos de banheira separavam-nos das outras camas. Pousei-te as
mãos nos ombros fracos. Toda a força te esmorecera nos braços, na pele ainda
pele viva. E menti-te. Disse aquilo em que não acreditava. Ao olhar amarelo,
ofegante, disse que tudo serias e seríamos de novo. E menti-te. Disse vamos
voltar para casa, pai; vamos que eu guio a carrinha, pai; só enquanto não puder,
pai; vá, agora está fraco mas depois, pai, depois, pai. Menti-te. E tu, sincero, a
dizeres apenas um olhar suplicante, um olhar para eu nunca mais esquecer. Pai.
À hora, mandaram-nos sair. Quando saímos, agarrados como naúfragos, a luz
abundante bebia-nos.

E esta tarde, e esta terra agora cruel. Na nossa rua, a nossa casa. A porta do
quintal parada à minha frente, fechada, desafiante. Dizia nunca esquecerei, e esta
tarde lembrei-me. Com os teus movimentos, tirei do bolso o teu molho de chaves
e, como costumavas, usei todos os cuidados para escolher a chave certa,
examinando cada uma, orgulhando-me de cada uma. E, na fechadura, o triunfo. As
coisas a acontecerem devidamente. A ferrugem, as dobradiças soltaram um grito
como um suspiro ou um estertor. O alumínio rente ao mármore arrastou, varreu
uma figura certa e branca no cobertor grosso de folhas de pessegueiro.
Abandonado sobre o tamanho grande de um inverno, o quintal de quando eu era
pequeno, o quintal que construíste, pai. Tristes tristes flores novas e folhas novas
nos ramos das árvores, canteiros pintados de malvas, trevos, ervas verdes, verdes
de quando eu era pequeno e tu chegavas e me ensinavas trabalhos de grande.
Orienta-te, rapaz. Eu oriento-me, pai. Não se preocupe. Eu também sei, eu também
consigo. Eu oriento-me, pai. não se rale. O trabalho não me mete medo. Esteja
descansado, pai. Flores novas e folhas novas nos ramos das árvores, canteiros
pintados de malvas, trevos, ervas verdes, verdes desta primavera triste triste.
Se pudesse tinha-te protegido. Chamavas-me pelo nome, chamavas-me filho, e
ouvir o meu nome na tua voz, e ouvir filho no fio cálido da tua voz era uma
emoção funda. Se pudesse tinha-te protegido. A esperança, pai. De três em três
semanas, cinco manhãs seguidas viam-te ir ao tratamento; eu, teu filho, via-te ir
ao tratamento e doía-me a vida, doía-me a vida que em ti se negava, a vida a
gastar-te, ainda que a amasses, a vida a derrubar-te, ainda que a amasses. O
tratamento. Falavas nele, dizias a palavra, dizias vou ao tratamento e nós que
sabíamos, enchíamo-nos de uma amargura indelével, definitivamente marcada
vincada na nossa pele interior. Por tua vontade, nunca te atrasavas. Dizias vou ao
tratamento, apressavas-me, apressavas a minha mãe, como se alguma coisa te
pudesse curar, como se alguma coisa te pudesse devolver os dias. No hospital, a
sala de espera estagnada de tempo inútil e a minha mãe sentada, só, longe da
nossa casa e dos nossos sítios, como uma menina tímida, envergonhada. Tu a
afastares-te, como o rapaz tratador de vida que sempre quiseste que eu fosse, a
afastares-te, vestido com a camisa mais nova e as calças mais novas e a camisola
que a minha irmã te deu pelos anos, a afastares-te, pelos corredores carregados
de cinzento e acesos de electricidade baça, a afastares-te, e a sensação terrível de
nunca mais voltares.
Entrei em casa. Apenas a lareira fria, as janelas fechadas a moldarem sombras
finas no escuro. Do silêncio, da penumbra, um crescer de espectros, memórias?
não, vultos que se recusavam a ser memórias, ou talvez uma mistura de carne e
luz ou sombra. E vi-te pensei-te lembrei-te, à mesa, sentado no teu lugar. Ainda
sentado no teu lugar, e eu, a minha mãe, a minha irmã, sentados também, a
rodearmos-te. Iguais ao que éramos. Ali estávamos há muito tempo, esquecidos
abandonados desde um dia em que o passar das coisas parou na nossa felicidade
simples singela. Como uma alegria, como se tivéssemos jantado ou
esperássemos jantar ou o melhor banquete, estávamos. Felizes. Nada me era
dito, mas eu, olhando, sabia tudo, como se fosse óbvio, como se não pudesse ser
de outra maneira. Tu, de certeza, tinhas chegado do trabalho, e tinha sido um
bom dia, e estavas contente por isso, e as pessoas não faltavam com o
pagamento e isso era bom. A minha irmã andava no liceu, e as notas eram só
satisfazes muitos e bastantes, e ainda era esperta, e sorria por isso. Eu andava no
primeiro ano da telescola, e não pensava nas notas, e tinha jogado à bola, e tinha
ganho, e se tivesse perdido era igual. A minha mãe, mãe verdadeira de todos nós,
olhava-nos e sorria assim e sorria por isso. Felizes. Distantes da chuva grossa
deste inverno negro, distantes do teu corpo gelado. Lívido na luz trémula das
velas, arranjadinho, penteado com água, vestido com o fato que usaste no
casamento da minha irmã: o teu corpo gelado. E a Capela de São Pedro cheia de
gente a abraçar-me, cheia de gente a dizer-me coitadinho e os meus pêsames e
sinto muito, cheia de gente a procurar-me e a querer agarrar-me e prender-me e
dizer coitadinho e os meus pêsames e sinto muito. Pai. Perder-te. E revivi o
silêncio insepulto dos teus lábios mortos. E as sombras de nós, como se apenas
esperassem estes pensamentos para se perderem, misturaram-se no preto. O pó
das horas sem gente a vivê-las cobriu os móveis e o espaço fechado entre eles.

As paredes voltaram a separar o inverno nocturno, permanente da casa e o ciclo
alternado dos dias e do mundo, alheio a nós, para lá de nós. Comigo, a casa estava
mais vazia. O frio entrava e, dentro de mim, solidificava. As várias sombras da
sombra de mim, imóveis, passeavam-se de corpo para corpo, porque todos eles,
todos meus, eram igualmente negros e frios. E abri a janela. Muito longe do luto
do meu sentir, do meu ser, ser mesmo, o sol-pôr a estender-se na aurora breve
solene da nossa casa fechada, pai. E pensei não poderiam os homens morrer como
morrem os dias? assim, com pássaros a cantar sem sobressaltos e a claridade
líquida vítrea em tudo e o fresco suave fresco, a brisa leve a tremer as folhas
pequenas das árvores, o mundo inerte ou a mover-se calmo e o silêncio a crescer
natural natural, o silêncio esperado, finalmente justo, finalmente digno.
Pai. A tarde dissolve-se sobre a terra, sobre a nossa casa. O céu desfia um sopro
quieto nos rostos. Acende-se a lua. Translúcida, adormece um sono cálido nos
olhares. Anoitece devagar. Dizia nunca esquecerei, e lembro-me. Anoitecia
devagar e, a esta hora, nesta altura do ano, desenrolavas a mangueira com todos
os preceitos e, seguindo regras certas, regavas as árvores e as flores do quintal; e
tudo isso me ensinavas, tudo isso me explicavas. Anda cá ver, rapaz. E mostravasme.
Pai. Deixaste-te ficar em tudo. Sobrepostos na mágoa indiferente deste
mundo que finge continuar, os teus movimentos, o eclipse dos teus gestos. E tudo
isto é agora pouco para te conter. Agora, és o rio e as margens e a nascente; és o
dia, e a tarde dentro do dia, e o sol dentro da tarde; és o mundo todo por seres a
sua pele. Pai. Nunca envelheceste, e eu queria ver-te velho, velhinho aqui no
nosso quintal, a regar as árvores, a regar as flores. Sinto tanta falta das tuas
palavras. Orienta-te, rapaz. Sim. Eu oriento-me, pai. E fico. Estou. O entardecer,
em vagas de luz, espraia-se na terra que te acolheu e conserva. Chora chove brilho
alvura sobre mim. E oiço o eco da tua voz, da tua voz que nunca mais poderei
ouvir. A tua voz calada para sempre. E, como se adormecesses, vejo-te fechar as
pálpebras sobre os olhos que nunca mais abrirás. Os teus olhos fechados para
sempre. E, de uma vez, deixas de respirar. Para sempre. Para nunca mais. Pai.
Tudo o que te sobreviveu me agride. Pai. Nunca esquecerei.

José Luís Peixoto.

 

Responder

Introduce tus datos o haz clic en un icono para iniciar sesión:

Logo de WordPress.com

Estás comentando usando tu cuenta de WordPress.com. Cerrar sesión / Cambiar )

Imagen de Twitter

Estás comentando usando tu cuenta de Twitter. Cerrar sesión / Cambiar )

Foto de Facebook

Estás comentando usando tu cuenta de Facebook. Cerrar sesión / Cambiar )

Google+ photo

Estás comentando usando tu cuenta de Google+. Cerrar sesión / Cambiar )

Conectando a %s